Cálcio Force | 1 Unidade Cálcio Force | 1 Unidade

Cálcio Force | 1 Unidade

Cápsulas
  • R$ 119,00 R$129,00
  • 10x de 11,90 sem juros
  • R$113,05 no boleto bancário
- +
  • Descrição


Cálcio Force 

Cálcio Force contém a quantidade necessária de minerais que o corpo precisa diariamente para o fortalecimento da saúde dos ossos. O uso contínuo de Cálcio Force irá ajudar a proteger as cartilagens, melhorar o desempenho físico, a contração muscular e o sistema nervoso. Além de ajudar na prevenção da osteoporose, arteriosclerose e no aumento da resistência e saúde dentária.

Sua fórmula contém alta concentração de Cálcio, que é um mineral fundamental para desenvolver e manter a saúde dos ossos e dos dentes. Além disso, possui o Magnésio, vitamina D e Zinco que auxiliará na absorção do Cálcio.

Ingredientes

Cálcio 400mg, Zinco7mg, Magnésio 130mg e Vitamina D 5mcg.

Não contém glúten.


Recomendação de uso

Ingerir 2 cápsulas de Cálcio Force ao dia, 1 cápsulas pela manhã e 1 cápsulas ao fim da tarde.

Cuidados de conservação

Não ultrapassar a dose máxima diária recomendada. Pessoas alérgicas a algum componente da fórmula, não devem fazer o uso. Gestantes, lactantes e crianças, somente devem consumir este produto sob orientação de nutricionista ou médico.


Produto dispensado de registro conforme RDC 27/2010.

Avaliações

(8 comentários)

Produtos relacionados

Dicas de Saúde

Cálcio, o que é?

O cálcio é um mineral essencial e necessário para o organismo, fundamental em diversas funções biológicas, porém ainda é pouco consumido entre os brasileiros. É um elemento químico da família dos alcalino-terrosos responsável por manter as células e dar força e resistência aos ossos do organismo como também aos dentes, e por este motivo é importante salientar que 99% do cálcio no nosso organismo estão presentes nestes dois últimos citados, e 1% restante está no sangue, nos fluidos extracelulares (fora das células) e no interior das células, assim regulando várias ligações essenciais.

A ingestão deste mineral deve estar adequada ao longo da vida e deve ser feita nas primeiras e mais importantes fases, como na infância e na adolescência além, é claro, de ser indispensável também na fase adulta e na terceira idade, por contribuir para prevenção de algumas doenças, como osteoporose ou por evitar possíveis fraturas por conta de quedas, muito comuns em pessoas com idade mais avançada.

Para que serve o cálcio?        

O cálcio é um nutriente fundamental, necessário em diversas funções biológicas como a contração muscular, coagulação sanguínea, mitose, transmissão do impulso nervoso ou sináptico e o suporte estrutural do esqueleto. O consumo de cálcio está relacionado com a prevenção de diversas doenças, tais como: hipertensão arterial, osteoporose, câncer de colón e obesidade. Diversos estudos veem tentando explicar a relação da ingestão de cálcio com a prevenção de diversas doenças crônicas, pois o mesmo atenua a sensibilidade ao sal, reduz a pressão sanguínea, principalmente em indivíduos hipertensos.

Como já dito anteriormente a maior parte de cálcio presente no organismo dos seres humanos está armazenado nos ossos e dentes, o que confere para eles sua estrutura básica e mais resistência. Já a pequena quantidade que sobra, circula na corrente sanguínea é essencial para ajudar na remoção de nutrientes através das membranas celulares, além de participar da produção de enzimas que regulam a digestão e hormônios que controlam o metabolismo. Outra função importante do cálcio é que ele é necessário para a coagulação sanguínea, cicatrização e comunicação normal entre as células nervosas. O organismo ‘’rouba’’ este sal mineral dos ossos, para que o consiga em quantidades suficientes para realização das funções vitais, e desta maneira, com o passar do tempo, os ossos vão ficando porosos e frágeis devido a essa retirada. Como a sua eliminação ocorre através das fezes, urina e pelo suor, é inevitável que a ingestão esteja adequada em quantidades suficientes por períodos prolongados.

Cálcio funciona?

Apenas 30% do cálcio ingerido é absorvido, e ainda pode sofrer diversas variações durante o processo, e um dos motivos pode ser a condição do intestino do indivíduo e também fatores dietéticos. A maior parte do cálcio é absorvido no trato gastrointestinal, e é aumentada na deficiência e durante os períodos de alta exigência fisiológica, como gravidez, infância e lactação.

O calcitrol, a forma ativa da vitamina D, estimula o transporte ativo do cálcio para o enterócito, que é uma camada do intestino. Esse mecanismo é responsável pela maior parte da absorção do cálcio,quando os níveis de ingestão são moderados ou baixos pelas necessidades do organismo.

Pessoas que apresentam uma queda nos níveis de estrogênios (hormônios) e vitamina D, hipocloridria (que possui menos ácido clorídrico no estômago), idade avançada e uma alimentação rica em fibras, possuem uma absorção diminuída de cálcio. Em pessoas que possuem deficiência exagerada de vitamina D, apenas 10% a 15% de cálcio na dieta é absorvidos.

Como usar o cálcio

A suplementação de cálcio é considerada necessária apenas quando a alimentação não é o suficiente para atingir as necessidades diárias, visto que as recomendações variam conforme a faixa etária e o país. Alguns estudiosos afirmam que o recomendado é o consumo decálcio, fracionado em até quatro vezes ao dia, o que resulta numa melhor absorção do mesmo, ao invés de se ingerir em apenas uma única dose ao dia.

A ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), regulamentou no Brasil a ingestão diária recomendada (IDR) através da RDC Anvisa nº 269/2005, no que diz respeito a quantidade e necessidades nutricionais, em grupos de uma população sadia, baseada nas recomendações da OMS (Organização Mundial da Saúde), que estabelece:

- Adulto: 1000 mg.

- Gestantes: 1200 mg.

- Lactantes: 1100 mg.

Lactentes e crianças:

- 0-6 meses: 300 mg.

- 7-11 meses: 400 mg.

- 1 – 3 anos: 500 mg.

- 4-6 anos: 600 mg.

- 7-10 anos: 700 mg.

Fonte: ANVISA – RDC Nº 269/2005.

Quando o consumo de cálcio é menor que a recomendação diária, podem surgir, ao longo do tempo, alguns sintomas como: sensibilidade nos dentes, fraqueza nos ossos, câimbras e irritabilidade. Quando estes sintomas surgem é muito importante ir ao médico para que ele possa identificar possíveis deficiências de cálcio, além de indicar uma correta suplementação ou ajuste na dieta.

Quanto a sua restrição, pessoas que possuem algum tipo de disfunção ou doença renal podem ter recomendação limitada deste micronutriente, porém, é necessária uma avaliação, diagnostico e recomendação de profissional habilitado para balancear as quantidades necessárias do mineral.

Tipos de cálcio

Carbonato de cálcio: administração via oral, sendo melhor absorvido em ambientes ácidos, e deve ser ingerido junto com a alimentação para otimizar sua absorção. Uma metanálise sugere que o citrato é mais biodisponivel que o carbonato de cálcio.

Cálcio de ostra: administração via oral.

Citrato de cálcio: Geralmente recomendado para indivíduos que passaram por retiradas de partes do trato gastrointestinal. Sua administração é via oral.

Ascorbato de cálcio: Quando consumido com vitamina C, a mesma potencializa a sua absorção. Sua administração é por via oral.

Lactato de cálcio: Pode ser administrado via oral ou por via intramuscular.

Cálcio Quelato: Administrado via oral e por estar ligado a aminoácidos, sua absorção é mais favorecida.

Acetato de cálcio: Consumido via oral.

Glicerofosfato de cálcio: Pode ser administrado via oral, via intravenoso, via intramuscular.

Gluconato de cálcio: Via intramuscular.

Fosfato tricalcio: Via oral.

Alimentos saudáveis e ricos em cálcio

- Soja

- Nozes

- Quinoa

- Brócolis

- Gergelim

- Amêndoas

- Grão de bico

- Feijão-branco

- Castanha do Pará

- Levedo de cerveja

- Folhas verdes escuras.