Temos uma Promoção Imperdível para você!

#

Libidol Masculino | 6 Unidades Libidol Masculino | 6 Unidades Libidol Masculino | 6 Unidades

Libidol Masculino | 6 Unidades

Nova Fórmula

  • R$795,00

  • 10x de 79,50 sem juros
R$ 755,25 no boleto bancário
5 178



INSIRA O CEP PARA CALCULAR PRAZO E FRETE


    Descrição


    Recomendações de uso
    Ingerir 1 cápsula ao dia, preferencialmente antes do jantar.

    Ingredientes

    Niacina (vitamina B3) 35mg, Bisglicinato de Zinco 7mg, Vitamina B6 (cloridrato de piridoxina) 15mg, Magnésio (bisglicinato) 130mg, Vitamina D 25mcg, agente de fluidez (dióxido de silício), lubrificante (estearato de magnésio) e excipiente (maltodextrina). Composição da cápsula: glicerina, gelatina e água purificada.


    Cuidados de Conservação
    Conservar ao abrigo da luz, calor e umidade. Esta embalagem foi selada para sua proteção. Não utilize o produto em caso de violação.
    CONSUMIR ESTE PRODUTO CONFORME A RECOMENDAÇÃO DE INGESTÃO DIÁRIA CONSTANTE NA EMBALAGEM.

    Contraindicações
    Gestantes, nutrizes e crianças de até 3 anos somente devem consumir este produto sob a orientação de nutricionista ou médico.

    Produto dispensado de registro conforme a RDC 240/2018

    Produtos relacionados

    Dicas de saúde
    O que é Impotência sexual? A impotência sexual, também é conhecida como disfunção erétil, é a dificuldade em ter ou em manter uma ereção peniana que permita ter uma relação sexual. Para ser considerado um problema é preciso que ocorra em pelo menos 50% das vezes que se tenta ter uma relação sexual. O que causa a baixa libido e impotência sexual? Geralmente, a baixa libido existe separadamente da impotência sexual. Não ser capaz de ter ou manter a ereção pode trazer um sentimento de culpa, vergonha ou até mesmo estresse, gerando problemas na relação. Veja alguma das possíveis causas: Depressão, estresse e ansiedade A depressão, estresse e ansiedade são as causas mais comuns da falta de apetite sexual. Com o dia a dia, é quase impossível não se sentir estressado, mas existem formas de aliviar esse sentimento, como: Meditação: a meditação traz várias vantagens como melhora da cognição e do sistema imunológico, melhora da memória e da qualidade do sono, assim reduzindo o estresse; Atividades físicas regulares: praticar exercícios físicos todos os dias auxilia no tratamento da depressão, estresse e ansiedade; Tenha acompanhamento psicológico e psiquiátrico: Por mais que existam maneiras naturais de tratar esses problemas, é essencial que a pessoa tenha o acompanhamento de um psicólogo e psiquiatra. É necessário ter profissionais que o ajude a superar esses problemas de uma vez por todas. Fumar diminui a libido Pare de fumar! Fumar tem diversos efeitos na vida sexual, tais como: A produção de esperma é menor e sua qualidade inferior ao de um não fumante, um dos efeitos que fumar traz ao esperma é a diminuição de sua mobilidade; Aumenta as chances de se tornar impotente sexual; Atrapalha a circulação e prejudica os vasos sanguíneos, e como a ereção depende da quantidade de sangue nos corpos cavernosos do pênis, a circulação sanguínea ruim pode resultar em uma disfunção erétil; Diminui a fertilidade. Deixar esse hábito no passado pode ajudar a aumentar a libido. Você passa tempo suficiente no sol? Se a resposta for não, há razão para seu baixo desejo sexual pode ser a falta de vitamina D no organismo. Vitamina D é produzida quando a pele é exposta a luz solar e a deficiência dessa vitamina no organismo pode causar a disfunção erétil. Seu peso pode estar entrando no caminho Estar acima do peso pode levar a impotência sexual e baixo apetite sexual. Manter o peso indicado é essencial para aumentar a libido. Como aumentar a libido? Existem diversos fatores que podem influenciar no desejo sexual, mas como aumentar a libido sem prejudicar a saúde? Antes de tudo é necessário entender o que está causando o problema para que o tratamento seja realizado de forma correta, sendo possível aumentar a libido de forma natural, sem trazer maiores prejuízos à saúde. É normal que a produção dos hormônios sexuais masculinos (testosterona) e femininos (estrogênio) caia depois dos 20 anos de idade. Descubra as causas e o que fazer quando o desejo sexual é baixo. Como aumentar a libido de forma Natural? Não se preocupe em comer os famosos alimentos afrodisíacos Em geral, alimentos e bebidas não têm nenhum impacto na vida sexual, ao invés disso procure comer alimentos nutritivos e manter uma dieta balanceada. Se você não abre não dos alimentos afrodisíacos, experimente que trazem uma maior sensualidade, como ostras, morangos ou pêssegos. Se exercite antes do sexo Praticar atividades físicas antes do ato sexual aumenta a libido uma vez que ajuda a pessoa a se sentir mais confiante e em contato com seu próprio corpo, isso pode fazer com que você se sinta mais energizado e confiante na cama. Além disso, a prática diária de exercícios físicos auxilia no tratamento da depressão, estresse e ansiedade. Procure um estimulante sexual natural No mercado estão disponíveis diversos estimulantes sexuais naturais que buscam aumentar a libido. Procure pelos que contém zinco e niacina (vitamina B3) em sua fórmula, uma vez esses componentes auxiliam na produção e equilíbrio dos hormônios sexuais. Preste atenção a como seu corpo reage ao seu anticoncepcional Independentemente se você faz o uso de pílula, adesivo, DIU ou implante, você está colocando hormônios no organismo e seu apetite sexual pode ser afetado. A experiência de cada mulher é diferente, portanto faça exames hormonais e repare no seu corpo antes e após começar a utilizar esse tipo de método contraceptivo e compare, experimente métodos diferentes e veja qual funciona melhor para o seu corpo. Lide com o estresse e ansiedade O estresse e ansiedade são os maiores problemas de vida sexual de qualquer pessoa. Quando se está estressado é difícil conseguir ter foco e concentração no ato sexual e se não for resolvido, esse problema pode se tornar uma bola de neve. Pule o vinho Apesar de algumas taças de vinho ajudar a relaxar e criar um clima sensual, bebidas alcoólicas podem, na verdade, atrapalhar na hora H. Um estudo da Universidade de Missouri realizou um estudo com 3.000 pessoas e descobriu que, quando embriagadas, 11% dessas pessoas não foram capazes de atingir o orgasmo e 7% não mostraram nenhum desejo sexual. Dentre as mulheres pesquisadas, 33% experimentaram algum tipo de disfunção sexual após consumir álcool. Mas por que isso acontece? O álcool na verdade entorpece a parte do sistema nervoso que controla e lida com o orgasmo, então mesmo que aja a relação sexual, esse ato pode não ser nada prazeroso. Ou seja, se seu objetivo é aumentar a libido, beber não é a resposta. Tome suplementos de Ômega 3 Ômega 3 é fonte de ácidos graxos essenciais e como o organismo humano não produz essa gordura é necessário obtê-la através da suplementação. O Ômega 3 não apenas faz bem ao cérebro e ao coração, como também pode atuar no tratamento da depressão e melhora a circulação sanguínea, um fator importante para a vida sexual uma vez que a sensibilidade, ereção e lubrificação depende do fluxo de sangue nas regiões genitais. Referências Bibliográficas: D. Din, O Migliolo, L. Ratrelli, P. Saturnino, O. Schettino, “Chemical Composition of Lepidium meyenii” in Food Chemistry,49, USA (1994) Fortschr Neurol Psychiatr. 2004 Mar;72(3):121-35. WERST, Elizabeth; KRYCHMAN, Michael. Natural Aphrodisiacs—A Review of Selected Sexual Enhancers, 2015, Disponível em <https://www.smr.jsexmed.org/article/S2050-0521(15)30136-0/pdf> ZENGH, Bl. et al. Effect of a lipidic extract from lepidium meyenii on sexual behavior in mice and rats. Disponível em <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/10736519> COHEN, Aj; BARTILIK. Ginkgo biloba for antidepressant-induced sexual dysfunction. Disponível em <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/9611693> SEXUAL MEDICINE. Chocolate and women’s sexual health: An intriguing correlation, 2006. Disponível em <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16681473> KOTTA, Sabna; SHAHID, Ansari. Exploring scientifically proven herbal aphrodisiacs. Pharmacogn Rev, 2013. Disponível em <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3731873/> BASSO, Rosana. Os alimentos afrodisíacos: crenças, mitos e verdades. Universidade de Brasilia, 2009. Disponível em <http://bdm.unb.br/handle/10483/552>